O Q. nasceu em Lisboa em 30 de Abril de 2008 e é um menino muito especial.

E é por ser especial que desde o primeiro dia que trabalha muito, que procuramos soluções, alternativas, pesquisamos, falamos e temos muita ESPERANÇA que um dia faça tudo o que os outros meninos fazem.

Por ser assim, te amamos e POR TI, Q. tudo fazemos.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Sudden Unexpected Death in Epilepsy: This rare disorder is a call to arms for doctors and patients to control seizures

John Travolta's 16-year-old son, Jett, who suffered from uncontrolled seizures, died suddenly on Jan. 2, 2009, while on vacation with his family in the Bahamas. After an autopsy, “seizure” was listed as the cause of death. Later that year, in another heart-wrenching case, Steve Wulchin went to wake his 19-year-old son, Eric, and found him lying on the floor of their home in Boulder, CO. Eric, whose last seizure was six months before, had died unexpectedly during the night.

These two high-profile cases have heightened public awareness of sudden unexplained death in epilepsy (SUDEP), a rare disorder responsible for 2 percent to 18 percent of deaths in people with epilepsy... (cont)



http://journals.lww.com/neurologynow/Fulltext/2010/06060/Sudden_Unexpected_Death_in_Epilepsy__This_rare.11.aspx

Speak Up: Rising Above Limits and Labels—I fulfilled my dreams in spite of a cerebral palsy

Free AccessAuthor InformationFrom 1993 to 1995, Shanna McCoy served on the Governor's Developmental Disability Planning Council for Arkansas, and is still a member of the Arkansas Disability Coalition.
My mother was the kind of woman you didn't want to say no to. When a pediatrician told her that I would never read, walk, or talk, my mother responded, “My daughter will be walking by the time I'm through.” It took me a long time to even sit up and stand on my own, but two and half years later, my mother was right. I was able to walk.
At the age of 18 months I was diagnosed with cerebral palsy. The cause: severe brain trauma from a forceps injury during birth. No one volunteered this information; a receptionist accidentally left my medical records on the desk and my mother decided to look through them.
But I never really accepted the fact that I was “Disabled” with a capital “D.” As a child, I convinced myself that I was an ordinary girl who possessed some extraordinary gifts.
Other people didn't see it that way. I was teased daily by other children in the small town in Arkansas where we lived. On the first day of first grade, I heard the teacher say to my mother, “She belongs in the retarded class.” My mother boldly replied, “She belongs in this class.” As the days progressed, I realized I could read better than any other kid in that room.
Image ToolsEvery day after school, I exercised, practiced reading, did my homework, and learned to walk—with the help of a 20-pound metal day brace and a 40-pound metal night brace. From the age of four to 13, my mother and I went through the same grueling ritual with the braces. We fought constantly. Often I would wait for her to fall asleep so that I could take the night brace off. In the morning, when I realized my mother had put it back on me in the middle of the night, I would throw a temper tantrum.
Even though I had cerebral palsy, I still had to perform daily chores around the house. And although it took me a long time to complete simple tasks, I thrived on the feeling of independence and accomplishment this gave me.
I moved on to the second-grade, then third, fourth, and fifth—in spite of the fact that my teachers and classmates often treated me unfairly and with cruelty. One teacher said to me, “Instead of your mother putting pretty bows in your head, she should have given you a brain.” My fifth-grade math teacher said she wasn't going to treat me special just because my mother insisted on “window dressing a retarded kid.” For nine long years my mother met with teachers, school board officials, and principals demanding that I not be judged unfairly on the basis of a physical disability and labelled “retarded.”
In junior high and high school, I began to make the honor roll. I joined the marching band and became heavily involved in speech and drama classes. When I was accepted into college, I was overjoyed. I had finally made it! Or so I thought.
During the winter of 1990, my mother passed away. I was devastated and told myself I couldn't finish college. But I reflected on her confidence in me over the years and finally earned my degree. It was the fulfillment of a childhood dream.
I have a child of my own now, a very bright 11-year-old boy named Justin Tyler Abraham. Doctors had told my mother that I would never be able to have a child, just as I would never be able to read, walk, or talk. Justin is a reminder of my mother's words—and her love.

http://journals.lww.com/neurologynow/Fulltext/2010/06060/Speak_Up__Rising_Above_Limits_and_Labels_I.22.aspx
E não é isto que queremos para os nossos filhos?

Proyecto Foltra - Defienden el tratamiento con hormonas para mejorar a los pacientes con daño cerebral

TODO Castilla y León - 10 de diciembre de 2010

El catedrático de Fisiología Humana de la Universidad de Santiago Jesús Devesa Múgica ha defendido este viernes en Salamanca el tratamiento con hormonas de crecimiento y melatonina unido a prácticas de fisioterapia, logopedia y terapia ocupacional para mejorar la calidad de vida de los personas con daño cerebral.
Así lo ha señalado en una rueda de prensa previa a su intervención en la Universidad de Salamanca (USAL), en la que ha explicado su Proyecto FOLTRA, Fe, Optimismo, Lucha y Trabajo, encaminado a la ayuda para la rehabilitación física e intelectual del paciente neurológico, con daño cerebral o periférico, congénito o adquirido.
Devesa Múgica ha sostenido que inició del programa debido a "la necesidad", tras su sufrir su hijo mayor un grave accidente de tráfico.
A él le aplicó "de forma empírica" todo lo que le había reportado la investigación realizada durante más de treinta años en hormona del crecimiento.
De este modo, logró sacarlo adelante y creó una fundación de ayuda a pacientes con daño cerebral, la cual ha logrado en seis años, según ha señalado, "un alto porcentaje de éxito".
No obstante, ha reconocido que no todos los enfermos se curan al cien por cien, pero "el 90 por ciento de ellos consiguen mejoras importantes en su calidad de vida".
Esta entidad atiende actualmente a más de 180 pacientes de forma directa, ha explicado el profesor, y a "otros tantos de forma indirecta", a través de convenios suscritos con entidades de Madrid, Canarias, Noruega, Italia, Hungría, Francia, Bolivia, Argentina, Uruguay, Estados Unidos y México.
El método puesto en marcha por Devesa Múgica se puede aplicar en pacientes que padecen desde "parálisis cerebral infantil hasta traumatismos craneoencefálicos, ictus o lesiones medulares".
Es "una combinación de factores de crecimiento neuronal y neuroprotectores sumado con fisioterapia, logopedia, neuroestimulación y terapia ocupacional".
En este sentido, ha mencionado a "la hormona de crecimiento y la melatonina fundamentalmente", como fármacos fundamentales, aunque "hay más".
En su opinión, "la hormona es más potente como neurorregenerador y la melatonina como neuroprotector".
No obstante, ha afirmado que el Proyecto FOLTRA no se aplica en la sanidad pública, debido a que "el coste de la hormona es muy alto" y si se pusiera en marcha este método, el sistema "se colapsaría en un plazo de dos meses".
En este sentido, ha señalado que el tratamiento supone unos 7.000 euros al año y los potenciales beneficiarios serían unos dos millones de los cuatro millones de personas que padecen discapacidad en España.
El Proyecto FOLTRA cuenta con la colaboración de grupos de investigación de la Facultad de Medicina de Santiago y del Hospital Clínico Universitario, así como de destacados especialistas médicos.

http://www.todocastillayleon.es/hemeroteca/defienden-el-tratamiento-con-hormonas-para-mejorar-a-los-pacientes-con-dano-cerebral-9294.aspx

Primeira Dama visita AFID


A Primeira Dama visitou ontem a AFID e na reportagem fez questão de referir a importância da Intervenção Precoce.
O Q. deu o ar da sua graça e até lhe disse o seu famoso e alegre "buuuu".
É com satisfação que fazemos parte deste projecto.

http://www.tvamadora.com/Video.aspx?videoid=1101

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Proyecto Foltra - No podemos

...Hay un teléfono con más de 7000 llamadas pendientes de contestar. Hay más de 3000 informes, enviados por correo o por fax, pendientes de ser valorados, y hay más de 8000 pacientes en lista de espera para ser atendidos...


http://www.proyectofoltra.com/index.php/es/noticias/374-no-podemos

Proyecto Foltra - Buenas noticias a pesar de todo

...PCIs que dejan de serlo, total o parcialmente; niños que comienzan a ver por primera vez en sus vidas, así lo indican los potenciales evocados visuales y las pruebas de visión; una joven que también comienza a ver tras 14 años de ceguera por un traumatismo cráneo-encefálico con importante afectación de la corteza occipital (donde se reciben las señales visuales enviadas desde la retina); comienzo de la marcha y recuperación de la simetría facial en un joven con un grave daño cerebral tras accidente de tráfico; informes de revisión hospitalarios de niños con PCI en los que se evidencian las mejorías obtenidas; registros electro-encefalográficos en los que (sorprendentemente...) desaparecen las actividades epilépticas; e informes de fisioterapeutas y logopedas de un importante hospital insular dedicado a la asistencia de niños con déficits, en los que se constata que lo que era un síndrome sin tratamiento está ya dejando de serlo (aparición de movimientos oculares donde antes era la mirada fija, cierre de párpados antes imposible, movimientos linguales de una lengua paralítica, y simetría facial antes inexistente). Motivos más que suficientes para estar más que satisfechos y animados a continuar pese a la presión...

http://www.proyectofoltra.com/index.php/es/noticias/375-buenas-noticias-a-pesar-de-todo

Testimonio de una pediatra

Miércoles 15 de Diciembre de 2010

Lo acabamos de recibir, es el testimonio de una pediatra que ha valorado a 4 niños con parálisis cerebral infantil a tratamiento. Así dice, respetando como siempre la privacidad:
Jesús, anteayer vi por segunda vez a 4 niños de Foltra. Sus avances han sido espectaculares, especialmente el que peor estaba, I.D, ha pasado de venir totalmente rígido y desconectado a venir abrazado a su madre, sonriendo y "alucinado con la nevera y el horno". También los demás han mejorado muchísimo.
Estoy encantada de participar en este proyecto. Mil gracias.

Feliz Navidad a todos, un fuerte abrazo,

http://www.proyectofoltra.com/index.php/es/noticias/378-testimonio-de-una-pediatra

Fundação AFID


Terapia Sacro Craniana

A Terapia Sacro Craniana foi desenvolvida pelo médico e osteopata americano Dr. John Upledger, após um estudo científico intensivo entre 1975 e 1983, enquanto professor de biomecânica e investigador clínico na Universidade Estatal de Michigan nos Estados Unidos da America.

A Terapia Sacro Craniana é uma terapia manual, muito suave, que tem como objectivo avaliar e melhorar a função fisiológica do sistema sacro craniano, um sistema fisiológico do qual fazem parte as membranas cranianas e o liquido cefalo raquidiano que envolve e protege o cérebro e a espinal medula. Este sistema mantém uma relação entre o sacro e o cranio através do tubo dural e está exposto a tensões anormais que podem causar alterações em várias partes do corpo.

Usando um toque muito leve, de uma maneira geral não superior a 5 gramas, o terapeuta sacro craniano pode libertar certas restrições no sistema sacro craniano e dissipar os efeitos negativos do stress sobre o sistema nervoso central, facilitando o processo de recuperação do próprio sistema de auto-regulação, permitindo assim que este faça as suas próprias correcções quando e onde estas sejam necessárias, sem decerto modo contrariar o processo fisiológico normal.

A terapia Sacro Craniana está indicada em qualquer faixa etária e raramente tem contra indicações. Em doentes de idades mais avançadas esta terapia pode melhorar a mobilidade funcional e proporcionar mais energia.

A Terapia Sacro Craniana é cada vez mais usada como terapia preventiva por ser benéfica no apoio e reforço às resistências naturais contra as doenças e é eficaz numa grande variedade de problemas médicos associados à dor e à disfunção, incluindo:

- Enxaquecas,
- Dores de cabeça,
- Dores musculares crónicas da coluna vertebral,
- Dificuldades respiratórias,
- Dificuldades de coordenação motora,
- Cólicas
- Autismo
- Disfunções do sistema nervoso central
- Problemas músculo esqueléticos
- Problemas generalizados nas crianças
- Dificuldades na aprendizagem
- Fadiga crónica, dificuldades emocionais
- Problemas relacionados com stress
- Problemas do tecido conjuntivo
- Fibromialgia
- Disfunções temporo-mandibulares
- Disfunções neurovasculares e do sistema imunitário, etc.

Um aspecto importante da terapia sacro craniana é o facto de esta poder ser conjugada com outras terapias ou usada individualmente, tendo sempre como objectivo o bem estar do doente. Cada vez mais chegamos à conclusão de que nenhuma terapia é perfeita, em muitos casos umas funcionam melhor do que outras, e em alguns casos melhor do que noutros, portanto, quando se pode oferecer uma terapia integrada a recuperação do doente é sempre mais eficaz.

http://upledgerinstitute.pt/craniana.htm

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Nighttime sleep found beneficial to infants' skills


November 16, 2010

At ages 1 and 1-1/2, children who get most of their sleep at night (as opposed to during the day) do better in a variety of skill areas than children who don't sleep as much at night.

That's the finding of a new longitudinal study conducted by researchers at the University of Montreal and the University of Minnesota. The research appears in the November/December 2010 issue of the journal Child Development.

The study, of 60 Canadian children at ages 1, 1-1/2, and 2, looked at the effects of infants' sleep on executive functioning. Among children, executive functioning includes the ability to control impulses, remember things, and show mental flexibility. Executive functioning develops rapidly between ages 1 and 6, but little is known about why certain children are better than others at acquiring these skills.

"We found that infants' sleep is associated with cognitive functions that depend on brain structures that develop rapidly in the first two years of life," explains Annie Bernier, professor of psychology at the University of Montreal, who led the study. "This may imply that good nighttime sleep in infancy sets in motion a cascade of neural effects that has implications for later executive skills."

When the infants were 1 year old and 1-1/2 years old, their mothers filled out three-day sleep diaries that included hour-by-hour patterns, daytime naps, and nighttime wakings. When the children were 1-1/2 and 2, the researchers measured how the children did on the skills involved with executive functioning.

Children who got most of their sleep during the night did better on the tasks, especially those involving impulse control. The link between sleep and the skills remained, even after the researchers took into consideration such factors as parents' education and income and the children's general cognitive skills. The number of times infants woke at night and the total time spent sleeping were not found to relate to the infants' executive functioning skills.

"These findings add to previous research with school-age children, which has shown that sleep plays a role in the development of higher-order cognitive functions that involve the brain's prefrontal cortex," according to Bernier.

http://www.cnsfoundation.org

Plasticity supports cognitive recovery after brain damage

November 3, 2010

New research provides fascinating insight into mechanisms that underlie recovery after damage to a region of the brain important for memory and attention. The research, published by Cell Press in the November 4th issue of the journal Neuron, highlights the role of undamaged portions of the brain that can "take over" and support the recovery of function.

Brain damage can have devastating consequences, depending on the location and severity of the injury. Damage to an area of the brain called the prefrontal cortex often results in deficits in memory and attention. However, people can recover some function over time. Studies examining recovery after motor or language deficits have indicated that undamaged regions of the brain can compensate for the damaged areas. While it is clear that neural plasticity is necessary for functional recovery after damage to the prefrontal cortex, specific mechanisms of cognitive recovery are not as well understood.

"In our current study, we were interested in examining whether intact cognitive performance in patients with damage to the prefrontal cortex in one hemisphere of the brain is mediated by functional compensation of the prefrontal cortex on the intact, undamaged side of the brain," explains lead study author, Dr. Bradley Voytek from the University of California at Berkeley.

Dr. Voytek and colleagues designed a study examining brain activity in patients with damage to the prefrontal cortex on only one side of the brain. Patients and matched control subjects performed a visual working memory task or a visual attention task. Importantly, the researchers presented stimuli to one hemisphere at a time, allowing them to challenge either the intact or damaged prefrontal cortex in the patients with brain damage. They observed transient increases in activity related to attention and memory in the intact prefrontal cortex within a second of stimulus presentation to the damaged hemisphere.

"Our results show that the neural changes observed in movement recovery after motor cortex damage expand to cognitive domains and apply to a dynamic model of memory and attention compensation by the intact, undamaged cortex," concludes Dr. Voytek. "We demonstrate that brain recovery can manifest itself as transient changes in information processing occurring on a sub-second timescale after the injured brain has been challenged to perform, supporting a dynamic and flexible model of neural plasticity."

http://www.cnsfoundation.org

Theratogs

Para quem está interessado, a Ostifarma, na Amadora, já está a comercializar os Theratogs.
SA

XCell Center

Esta semana demos mais um passo que eu espero que seja um grande passo: o Q. fiz o transplante de células estaminais no XCell Center.
Estamos muito optimistas, correu melhor que o previsto porque o Q. conseguiu ter uma quantidade enorme e extraordinária de células.
Portanto, o potencial estava lá, estava era no sitio errado :-)E agora está no sitio certo.
Torcemos para que o Menino Jesus nos traga resultados e por um ano de 2011 em grande.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

XCell-Center News: Journey leads to 'better life' - for cerebral pals...

Journey leads to 'better life' - for cerebral palsy patient after stem cell therapy

Avaia looks at people's faces.
That's the biggest difference her mother has noticed since the community rallied to send the two-year-old to Germany for special bone marrow stem cell treatment.
She had trouble paying attention before. Her eyes would wander constantly. Lights attracted her attention but not her focus.
"Since we've been back, she's taking time to look at things, she's focusing a lot better, even on people's faces," Ashley DiMarco said.
"If she's interested in it, it could be a toy, a person, anything, she just really takes her time to focus on what it is. She does take her breaks, but she's doing so much better. She is much more alert."
Avaia has spastic quadriplegic cerebral palsy. She is unable to walk, talk or communicate, and eats through a feeding tube.
Her parents heard about the treatment at a private clinic, XCell-Center in Dusseldorf, Germany and decided it was worth a shot, applying with physicians' letters and other documentation.
When Avaia was accepted earlier this year, Ashley, a stay-at-home mom and John, who works at the hydro tunnel in Niagara Falls, began a whirlwind two months of fundraising in an effort to raise the $30,000 required for treatment and travel.
Through those fundraisers, including barbecues, yard sales, a McDonald's event, concert and golf tournament in St. Catharines, Thorold and Welland, they met their goal.
"I want to say thank you to everybody who did help," DiMarco said again this week. "Thanks to them, this is what happened and it's already given her a better life."
The Thorold family travelled to Germany Sept. 10, returning nine days later, and were told it would take several weeks to see any results.
Now two months later, Ashley DiMarco said she's seeing improvements.
"For everyone else, they might think it's something small, but for us it's huge," DiMarco said. "It can only get better, I think, from here. She's not going to get worse and it can only increase her chances."
Besides her ability to focus more, Avaia is now reaching out and grabbing objects, DiMarco said. She can't do it for a long period of time, but DiMarco said she was unable to hold anything in her hands before.
Avaia is also trying to sit up on her own, but hasn't mastered it yet. Once DiMarco has her up, Avaia can hold herself up for a few minutes at a time. DiMarco said if Avaia starts to lean over, she knows she has to put her hands down first and tries to stop herself from falling over.
In therapy, Avaia used to be held up around the waist and her upper half would bend over. DiMarco said she can now hold up the upper half of her body. She's been able to do it for 10 minutes at a time.
"She does get cranky after a little while because it's a lot of work for her, she's holding up all that weight on her own, but you can tell she's so proud of herself and she starts laughing and smiling," DiMarco said.
"She knows she's doing it and she's doing a great job of it."
The family is hoping to go back for more treatment, it's just a matter of money.
DiMarco said they will aim for next summer, though children can receive a second treatment in as early as six months. It's best to go when she's young and her brain is still developing for the best results, DiMarco said.



XCell-Center News: Journey leads to 'better life' - for cerebral pals...: "By Karena Walter / The Tribune - St. Catharines, Canada ST. CATHARINES - Avaia looks at people's faces. That's the biggest difference he..."

G Therapy

Olá.
Há poucos dias deram-nos mais uma dica, que ao que parece, está a ter bons resultados.
Chama-se G Therapy e é na India.
Para quem é adepto de terapias ou tratamentos alternativos, como eu, é mais um passo importante uma vez que é baseado na homeopatia.
Aqui vai o link:
http://g-therapy.org/index.php/g-therapy/290-g-therapy-tratamento-para-paralisia-cerebral-autismo-sindrome-de-down-subnormalities-mental-neuropatias-esclerose-multipla-portugal-brazil-lisboa-sao-paulo-rio-de-janeiro.html
Sara

domingo, 28 de novembro de 2010

Rato volta a andar com tratamento desenvolvido por pesquisadores de Curitiba

Rato volta a andar com tratamento desenvolvido por pesquisadores de Curitiba

DE SÃO PAULO
Uma nova técnica, que combina terapia com células-tronco e exercícios físicos intensos, conseguiu recuperar os movimentos de ratos paraplégicos.
Desenvolvido por pesquisadores brasileiros, o método fez com que ratos com baixíssima capacidade motora conseguissem voltar a andar, ainda que "mancando".
Em uma escala que vai de zero (animais totalmente paralisados) a 21 (mobilidade excelente), alguns bichos foram do nível dois para o nível 17 em um mês e meio.
Os cientistas provocaram, em laboratório, lesões por trauma nos ratos, simulando as que acontecem na maioria dos acidentes de trânsito.
As cobaias tratadas foram divididas em dois grupos. Um começou a receber a terapia 48 horas após a lesão. O outro as recebeu 14 dias depois do trauma na coluna.
Eles receberam um preparado de células-tronco retiradas da própria medula óssea. Esse material foi injetado no local dos ferimentos.
Uma vez no organismo, as células-tronco se transformaram em células neurais e ajudaram a regenerar as regiões afetadas.
"Por serem autólogas [retiradas do próprio animal], não há risco de rejeição", disse a criadora do método, Katherine Athayde de Carvalho, do Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba.
"A técnica já mostrou que essas células não saem de controle e não se diferenciam em outros tecidos, o que é um problema em outros tratamentos", completou.
Segundo a pesquisa, não houve diferença no resultado final entre os dois grupos. "Isso mostra que é possível recuperar os movimentos mesmo após a estabilização da lesão", disse Carvalho.

http://lilibeleza.blogspot.com/2010/11/celulas-tronco-uma-nova-esperanca-rato_28.html

O CMR Sul tem novo espaço de pediatria

O CMR Sul tem novo espaço de Pediatria


Foi recentemente inaugurada a nova sala de pediatria do CMR Sul, instalada num espaço recentemente renovado, que proporciona uma mais-valia no que diz respeito às condições físicas de atendimento às crianças. Trata-se de um local próprio para prestar o atendimento diferenciado, que permite uma melhor qualidade na prestação de serviços à criança, envolvendo-a num ambiente agradável e acolhedor.
A inauguração coincidiu com a Reunião da Secção Pediátrica da Sociedade Portuguesa de Medicina Física de Reabilitação que teve lugar no nosso Centro no dia 22 de Outubro. Os participantes na reunião tiveram ocasião de visitar o novo espaço e demonstraram o seu agrado pela funcionalidade aliada ao conforto que esta área agora requalificada proporciona às crianças.


http://cmrsul.gpsaude.pt/gps

terça-feira, 23 de novembro de 2010

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Intervenção precoce já chega a 4.500 crianças com deficiência

Já estão a ser apoiadas cerca de 4.500 crianças em idade pré-escolar com deficiência ou em grave risco de desenvolvimento no âmbito do novo Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância. O objectivo é fazer chegar rapidamente os recursos às famílias.

Pretende-se detectar o mais cedo possível eventual deficiência física ou mental

O objectivo do sistema de intervenção precoce é detectar o mais cedo possível, de preferência antes dos três anos, as crianças que apresentem deficiência física ou mental ou sério risco de desenvolvimento (devido a factores sociais ou familiares, por exemplo), e iniciar rapidamente um plano individualizado de intervenção, explicou ao JN Filomena Pereira, directora do Serviço de Educação Especial do Ministério da Educação.

Pela primeira vez, está a ser criada uma rede nacional integrada de serviços interdisciplinares para dar apoio às crianças, com recursos de três ministérios - Educação, Saúde e Trabalho e Solidariedade Social - cujas competências estão claramente definidas.

A necessidade de melhorar a coordenação entre as várias entidades que prestam apoio às crianças com necessidades educativas especiais é, aliás, um dos pontos enfatizados num relatório da Agência Europeia para o Desenvolvimento das Necessidades Especiais, divulgado sexta-feira em Lisboa. O estudo, que analisa 26 países europeus, conclui que, na generalidade, todos apresentam melhorias no apoio a crianças com deficiência.

A intervenção precoce destina-se às crianças em idade pré-escolar (até aos seis anos) e está centrada na família, ao contrário do que acontece com a educação especial, focada na escola, explica Filomena Pereira. "As famílias devem ter os serviços de que necessitam no momento e no local certo. É o recurso que tem de ir à criança e não a criança que tem de ir ao recurso", acrescenta.

Uma das inovações do sistema é a existência de um responsável por cada caso, que faz a ligação entre os serviços e a família. A criação desta figura pretende corrigir um problema que muito penalizava as famílias: a frequente mudança de interlocutores, de acordo com a responsável do Ministério da Educação.

As equipas locais, com sede nos centros de saúde, estão agora a ser constituídas com técnicos de diversas especialidades. Depois de identificadas as crianças que precisam de intervenção precoce, a equipa estabelece, em articulação com a família, um plano individualizado que define os apoios necessários, quer sejam educativos, de reabilitação funcional ou de natureza social.

http://jn.sapo.pt/paginainicial/sociedade/interior.aspx?content_id=1709490

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Algo habrá...

Algo habrá...
Miércoles 03 de Noviembre de 2010
Entre ayer y hoy se nos han transmitido las opiniones de tres neuropediatras, uno del Noreste, otro de Levante y otro del Sur, con los que han pasado revisión tres niños con PCI a tratamiento en Foltra. Los tres, sin relación entre ellos, han dicho lo mismo: " Los cambios experimentados son importantes y significativos. Uno de ellos, al parecer, comentó "Muy a mi pesar debo reconocer que el niño ha mejprado significativamente". Luego aclaró que decía eso porque inicialmente era escéptico y que por ello hacía ese comentario..... Algo habrá de correcto en lo que hacemos..........

http://www.proyectofoltra.org/index.php/es/noticias/341-algo-habra

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Cães ajudam no desenvolvimento das crianças autistas - Os Bichos

Cães ajudam no desenvolvimento das crianças autistas 02/11
2010

Um estudo recente desenvolvido por investigadores da Universidade de Montreal, no Canadá, concluiu que os cães desempenham um papel importantíssimo no desenvolvimento das crianças com necessidades especiais, segundo o site Softpedia, citando um estudo publicado na revista Psiconeuroendocrinologia. Sonia Lupien, investigadora sénior, professora do Departamento de Psiquiatria da Universidade de Montreal e directora do Centro de Estudos de Stress Humano do Hospital Louis-H. Lafontaine, e os seus colegas, mediram a quantidade de cortisol presente na saliva de crianças autistas, para detectarem os níveis de stress. O corpo humano produz a hormona do cortisol em resposta ao stress, que atinge o seu pico meia hora depois do acordar e estabiliza ao longo do dia. “Tentámos avaliar o efeito que os cães tinham no nível de stress das crianças em três momentos diferentes: antes e durante a introdução do cão e família e depois de o cão abandonar a família”, explicou Sonia Lupien. Aos pais foi-lhe pedido que preenchessem um questionário sobre o comportamento das crianças nesses três momentos, os revelaram que as crianças revelaram 33 comportamentos problemáticos antes e depois de o cão chegar à família e apenas 25 quando o cão estava com eles. Este estudo permitiu concluir que cães devidamente treinados ajudam a diminuir os níveis de ansiedade nestas crianças e contribuem para incrementar a sua socialização. Lupien acrescentou ainda que a investigação “conclui que os cães têm um verdadeiro impacto nos níveis da hormona do stress nas crianças”.
Há várias décadas que é aconselhado às famílias com crianças autistas a terem um cão, mas este é o primeiro estudo científico que mede o impacto psicológico dos cães nestas crianças.


Cães ajudam no desenvolvimento das crianças autistas - Os Bichos

astramedia - INSTITUTOS FAY - Madrid

XCell-Center News: Metrowest Daily News Report - Stem Cell Treatment ...

XCell-Center News: Metrowest Daily News Report - Stem Cell Treatment ...: "Home - Holliston, Mass. USA As reported in the Metrowest Daily News by Kendall Hatch HOLLISTON - For most families, they're improvements..."

Newsletter Glen Doman - IAHP

Curso "What to do about your brain-injuried Child" em Madrid é já em Janeiro!

http://myemail.constantcontact.com/Glenn-Doman-eNewsletter--Volume-19.html?soid=1102207047418&aid=NygU3GqQQ4s

Janet Doman Interview About Brain-Injured Children

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Otras tres PCIs vencidas

Miércoles 27 de Octubre de 2010
A día de hoy podemos ya afirmar que otros tres niños con PCI van a llevar una vida totalmente normal, en contra de las previsiones que se les habían hecho. No queremos con ello crear falsas expectativas porque no todos los casos son iguales ni las edades son las mismas. Sí podemos decir que cuanto más pronto se actúe más posibilidades hay de que la situación revierta. El margen de edad para la actuación es amplio, en general, quizás hasta la pubertad, aunque depende del grado de afectación. Con ello tratamos de transmitir un poco de calma a todos los que nos llaman impacientes para empezar. A todos les llegará su momento y confiamos en que el resultado sea igual de positivo.

http://allforall.org/proyectofoltra.net/2010/10/28/otras-tres-pcis-vencidas/

http://www.proyectofoltra.com/index.php/es/noticias/334-otras-tres-pcis-vencidas

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Cerebral Palsy - Autologous Stem Cell Therapy Results (N=116) - XCell-Center

Cerebral Palsy - Autologous Stem Cell Therapy Results (N=116) - XCell-Center

Cerebral Palsy - Autologous Stem Cell Therapy Results (N=116)
July 2010
116 patients (more than 90 %) returned the completed evaluation form. Clinical improvements (Figure 1) were reported in most patients (66.4%).

Improvements mainly included increased motor functioning with decreased spasticity, resulting in improved sitting, standing, walking and posture stability, as well as an improvement in mental functions resulting in better communication.

Improvement of speech was mentioned by 28 patients, and a major reduction or even absence of epileptic seizures during the recorded post-treatment period was reported by 11 responders.

More than 90% of all the improvements started within 8 weeks after the application of Autologous Stem Cells.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Proloquo2Go now also for iPad

Proloquo2Go is now available also on iPad, Apple’s revolutionary new tablet device. Now you can use it on an iPad at home, at work or at school and use it on an iPod touch or iPhone when going to the movies, a restaurant or hiking.

Proloquo2Go, the augmentative and alternative communication (AAC) system that has taken the world by storm, is now available on iPad. Proloquo2Go is latin for speak out loud and that’s exactly what it helps people do! It is pronounced “Pro” as in professional, “lo” as in low, and “quo” as in quotation. The “2Go” means mobile.

Proloquo2Go version 1.3 has been optimized for the iPad and will be a free update for existing users.

Because the iPad has a significantly larger screen than the iPod touch and iPhone you will be able to use grids of up to 64 items. Proloquo2Go 1.3 also supports all device orientations allowing you to hold the iPad any way you like. Proloquo2Go 1.3 is a universal App allowing you to use the exact same application on an iPad, iPhone and iPod touch. Now you can use it on an iPad at home, at work or at school and use it on an iPod touch or iPhone when going to the movies, a restaurant or hiking.


Proloquo2Go has been helping individuals with autism spectrum disorder (ASD), cerebral palsy, down syndrome, developmental disabilities, ALS, traumatic brain injury, aphasia, apraxia, and more.

http://www.proloquo2go.com/About/article/ipad

sábado, 9 de outubro de 2010

Testes com células-tronco em paraplégicos começam a ser feitos na Bahia

http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1351782-7823-TESTES+COM+CELULASTRONCO+EM+PARAPLEGICOS+COMECAM+A+SER+FEITOS+NA+BAHIA,00.html

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Fundação Champalimaud - Programa de Neurociência

Programa de Neurociência

O programa de neurociência da Fundação Champalimaud tem por objectivo investigar as bases neurais do comportamento. Coordenado pelo Doutor Zachary Mainen, o programa contou já em 2010 com 7 grupos de investigação e com um total de 70 investigadores.

Missão

Nas últimas décadas tem sido feito um esforço substancial para o desenvolvimento das neurociências no mundo inteiro. No entanto, os mecanismos cerebrais que medeiam a maioria dos comportamentos normais e patológicos ainda escapam a nossa compreensão. Os avanços conceptuais e tecnológicos dos últimos anos, e a integração de vários níveis de conhecimento, permitem agora investigar as funções cerebrais e comportamentais de novas formas e possivelmente levar a descobertas fundamentais. Por isso acreditamos que a investigação básica na área da neurociência terá um impacto significativo na compreensão das funções cerebrais, que por sua vez contribuirá para a compreensão e possível tratamento de doenças neurológicas e psiquiátricas.

Investigação

Zachary Mainen

O meu laboratório concentra-se no estudo dos mecanismos neuronais do comportamento e cognição dos mamíferos.

Rui Costa

Nós estamos interessados nos mecanismos neuronais da acção em situações saudáveis e na doença.

Marta Moita
.
Nós estamos interessados na compreensão dos mecanismos neuronais subjacentes à plasticidade comportamental.

Susana Lima

A investigação no meu laboratório centra-se nos paradigmas comportamentais que permitem estudar as bases neuronais subjacentes à escolha de parceiro sexual.

Joe Paton

A investigação no meu laboratório centra-se nos avanços sobre a compreensão dos mecanismos neuronais através das quais as acções que influenciam os comportamentos de adaptação são apreendidas e geradas.

Carlos Ribeiro

Nós estamos interessados na compreensão sobre a forma como os mecanismos moleculares e celulares controlam os complexos processos biológicos ao nível de todo o organismo.

Michael Orger
.
O nosso laboratório tem por objectivo determinar a organizarão e funcionamento dos circuitos neuronais subjacentes aos comportamentos guiados visualmente.

Megan Carey

Nós estamos interessados nos mecanismos neuronais do comportamento – em como a actividade dos circuitos neuronais nos permite uma interacção apropriada com o mundo à nossa volta.




http://www.fchampalimaud.org/home/portuguese-summary/programa-de-neurociencia/

A utilização da Wii na reabilitação

Cerebral Palsy Rehabilitation with Nintendo Wii?

The Department of Rehabilitation and Movement Study at UMDNJ-SHRP has recently concluded a study that examined the use of Nintendo Wii in the rehabilitation of cerebral palsy patients. Led by Dr. Judith Deutsch, this case study analyzed how a 13-year old male patient responded to use of Wii versus traditional physical therapies.

Following 11 rehabilitation sessions over a one-month period, the study found that the patient's visual perception, bodily control and functional mobility had all shown significant signs of improvement.

The Future of Rehabilitation for Cerebral Palsy Patients
Because this case study only evaluated a single patient for a short amount of time, further research needs to be completed before medical experts can gauge the effectiveness of Wii (or other virtual reality programs) in the rehabilitation of cerebral palsy.

However, these results are promising, as they indicate the potential for a less expensive alternative form of cerebral palsy therapy. Unlike current robotic systems used in rehabilitation sessions, the Wii is commercially produced, widely available and only a fraction of the cost.

This means that far more cerebral palsy patients may have access to vital rehabilitation therapies, should the Wii or other virtual reality systems prove effective alternatives with future studies.

http://www.cerebralpalsysource.com/News_and_Articles/nintendo-wii-cerebral-palsy/index.html

Theratogs

Alguém conhece um sitio em Portugal onde coloquem os Theratogs?

http://www.theratogs.com/About.aspx

Obg e bjs
SA

sábado, 2 de outubro de 2010

Método CME

Mães,
Alguém conhece o Método CME (Cuevas Medek Exercises)??
A Lilian falou nisso. Parece interessante. Mas no Chile??
Bjs
SA

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Terapia da Fala

Mães,
Em que altura começaram os vossos filhos a trabalhar, na terapia da fala, a linguagem e a comunicação? Estou numa fase em que ainda se limita à alimentação, sabendo que este é o 1º passo. Mas quando se avança?
Obg e bjs
SA

Therapies4kids?

Mães,
Já alguém esteve no Therapies4kids?
bjs e obg
SA

Faaris takes his first steps 0001

Na XCell

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Pulses of light spark muscle movement

PARA DIMINUIR A ESPASTICIDADE? MAIS UM PASSO PARA O FUTURO...

Pulses of light might one day restore normal muscle activity in people with cerebral palsy or paralysed limbs. That's the hope of researchers now using the technique to control the leg muscles of mice.

The work is part of a growing field called optogenetics, and used light-activated proteins from photosynthetic algae to switch nerve cells on and off. The latest study is the first to apply the technique to the peripheral nervous system, which controls voluntary movements.

Karl Deisseroth of Stanford University, and colleagues, inserted into mice the gene which codes for the algal protein ChR2, which caused the protein to attach itself to the surface of nerve cells. After anaesthetising each mouse, they optically stimulated its sciatic nerve – which runs from the lower back to the lower limb – using a cuff lined with light-emitting diodes. They measured the resulting contractions in the Achilles tendon.

Stimulating muscles with electrical impulses has allowed paralysed people to walk. But electrical signals activate large, fast-twitch nerve fibres before small slow-twitch ones – the opposite of what happens naturally. This makes people walk with jerky, robotic movements which quickly become exhausting.

In contrast, the light pulses reproduced the "natural firing order" of nerves in the mice, says team-member Scott Delp, also at Stanford. The team is hopeful that the technique could work in humans to restore movement to paralysed limbs, or counter the muscle spasticity characteristic of cerebral palsy.

28 September 2010
http://www.newscientist.com/article/dn19509-pulses-of-light-spark-muscle-movement.html

Brain, Brain Information, Facts, News, Photos -- National Geographic

Uma animação BRILHANTE sobre o funcionamento do nosso cérebro. Como funciona, que partes são responsáveis por quê, as lesões e quando se estimula "onde" é que acontece!


O funcionamento do Cérebro

Making sense of the brain's mind-boggling complexity isn't easy. What we do know is that it's the organ that makes us human, giving people the capacity for art, language, moral judgments, and rational thought. It's also responsible for each individual's personality, memories, movements, and how we sense the world.

All this comes from a jellylike mass of fat and protein weighing about 3 pounds (1.4 kilograms). It is, nevertheless, one of the body's biggest organs, consisting of some 100 billion nerve cells that not only put together thoughts and highly coordinated physical actions but regulate our unconscious body processes, such as digestion and breathing.

The brain's nerve cells are known as neurons, which make up the organ's so-called "gray matter." The neurons transmit and gather electrochemical signals that are communicated via a network of millions of nerve fibers called dendrites and axons. These are the brain's "white matter."


The cerebrum is the largest part of the brain, accounting for 85 percent of the organ's weight. The distinctive, deeply wrinkled outer surface is the cerebral cortex, which consists of gray matter. Beneath this lies the white matter. It's the cerebrum that makes the human brain—and therefore humans—so formidable. Whereas animals such as elephants, dolphins, and whales have larger brains, humans have the most developed cerebrum. It's packed to capacity inside our skulls, enveloping the rest of the brain, with the deep folds cleverly maximizing the cortex area.

The cerebrum has two halves, or hemispheres. It is further divided into four regions, or lobes, in each hemisphere. The frontal lobes, located behind the forehead, are involved with speech, thought, learning, emotion, and movement. Behind them are the parietal lobes, which process sensory information such as touch, temperature, and pain. At the rear of the brain are the occipital lobes, dealing with vision. Lastly, there are the temporal lobes, near the temples, which are involved with hearing and memory.

Movement and Balance

The second largest part of the brain is the cerebellum, which sits beneath the back of the cerebrum. It is responsible for coordinating muscle movement and controlling our balance. Consisting of both grey and white matter, the cerebellum transmits information to the spinal cord and other parts of the brain.

The diencephalon is located in the core of the brain. A complex of structures roughly the size of an apricot, the two major sections are the thalamus and hypothalamus. The thalamus acts as a relay station for incoming nerve impulses from around the body that are then forwarded to the appropriate brain region for processing. The hypothalamus controls hormone secretions from the nearby pituitary gland. These hormones govern growth and instinctual behavior such as eating, drinking, sex, anger, and reproduction. The hypothalamus, for instance, controls when a new mother starts to lactate.

The brain stem, at the organ's base, controls reflexes and crucial, basic life functions such as heart rate, breathing, and blood pressure. It also regulates when you feel sleepy or awake.

The brain is extremely sensitive and delicate, and so requires maximum protection. This is provided by the surrounding skull and three tough membranes called meninges. The spaces between these membranes are filled with fluid that cushions the brain and keeps it from being damaged by contact with the inside of the skull.


http://science.nationalgeographic.com/science/health-and-human-body/human-body/brain-article/?ref=nf

CIREN E ISAVE UNIDOS NA REABILITAÇÃO NEUROLÓGICA

Pela primeira vez em Portugal, o ISAVE, através da Fundação Padre António Vieira, assina protocolo que permite o desenvolvimento do modelo de reabilitação neurológica desenvolvido em Cuba pelo CIREN, no ISAVE.

O CIREN, Centro Internacional de Reabilitação Neurológica, a instituição médico-científica cubana mais reconhecida internacionalmente na área da reabilitação neurológica, assinou um protocolo com o ISAVE, através da Fundação Padre António Vieira, que permite o estudo, a avaliação e transferência de tecnologia para o ISAVE do programa CIREN de reabilitação neurológica, bem como a supervisão de todo o trabalho de reabilitação por profissionais do CIREN, de Cuba.
Ao ISAVE, “como escola de saúde, cabe o papel de criar as condições para avaliação dos doentes, tanto a nível técnico como humano para que a reabilitação seja realizada nos mesmos moldes que acontecem em Cuba e onde se conseguem os mais altos índices de reabilitação. O ISAVE disponibilizará recursos qualificadas para o desenvolvimento do referido programa, sendo a formação desses quadros acompanhada por profissionais do CIREN”.
Neste sentido, nasce em Portugal, e pela primeira vez, com abertura prevista para este ano, no ISAVE, um centro de reabilitação neurológica com os mesmos padrões de qualidade do CIREN. Os mais de 300 pacientes portugueses que todos os anos se deslocam a Cuba, para aí serem tratados, têm agora em Portugal um centro com as mesmas competências, com a mesma formação, com os mesmos meios de diagnóstico e terapêutica. Teremos assim, em Portugal, um centro capaz de dar respostas efectivas a todo o tipo de problemas neurológicos com a utilização do Protocolo Terapêutico realizado em Cuba, o que vai permitir reduções de custos significativos, abrindo-se a um maior número de pessoas a possibilidade de agora poderem realizar esses tratamentos.
O CIREN criou e desenvolveu ao longo dos tempos tecnologia para o tratamento neuro-reabilitativo, multifactorial, intensivo e personalizado, baseado no princípio da neuro-plasticidade para atingir a recuperação estrutural e funcional do sistema nervoso atingido. No CIREN aplicam-se os métodos mais avançados cirúrgicos; criam-se as mais modernas formas de tratamento mundial em doenças como a de Parkinson e Alzheimer.
O CIREN tem uma estrutura de investigação científica contínua em modernas instalações e com os meios mais avançados, com pessoas altamente qualificadas, sempre com o rigor do controlo pelo sistema de qualidade ISO9000.
É este saber, esta prática, que é transferida para Portugal através do ISAVE, criando uma filosofia de “saúde de proximidade” para um público que nunca teria a possibilidade de se deslocar a Cuba para ter estes tratamentos.
O ISAVE, como escola de saúde, quer ter um papel determinante na formação dos seus alunos e na humanização dos cuidados de saúde em Portugal, sem perder de vista a excelência e os modelos de instituições de referência como o CIREN.


http://www.isave.pt/index.php?op=1&id=677&t=1

Growth hormone deficiency and cerebral palsy

(1865) Article viewsAuthors: Jesús Devesa, Nerea Casteleiro, Cristina Rodicio, et al
Published Date September 2010 , Volume 2010:6 Pages 413 - 418 DOI 10.2147/TCRM.S12312
Jesús Devesa1,2, Nerea Casteleiro2, Cristina Rodicio2, Natalia López2, Pedro Reimunde1,2

1Department of Physiology, School of Medicine of Santiago de Compostela, Spain; 2Medical Center Proyecto Foltra, 15886 Teo, Spain

Abstract: Cerebral palsy (CP) is a catastrophic acquired disease, occurring during development of the fetal or infant brain. It mainly affects the motor control centres of the developing brain, but can also affect cognitive functions, and is usually accompanied by a cohort of symptoms including lack of communication, epilepsy, and alterations in behavior. Most children with cerebral palsy exhibit a short stature, progressively declining from birth to puberty. We tested here whether this lack of normal growth might be due to an impaired or deficient growth hormone (GH) secretion. Our study sample comprised 46 CP children, of which 28 were male and 18 were female, aged between 3 and 11. Data obtained show that 70% of these children lack normal GH secretion. We conclude that GH replacement therapy should be implemented early for CP children, not only to allow them to achieve a normal height, but also because of the known neurotrophic effects of the hormone, perhaps allowing for the correction of some of the common disabilities experienced by CP children.


Ver todo o documento em:
http://www.dovepress.com/articles.php?article_id=5238

Investigadores de Coimbra fazem avanço importante para reparação de danos cerebrais

Uma investigação desenvolvida no Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) da Universidade de Coimbra permitiu descobrir o mecanismo de acção do óxido nítrico na proliferação de células estaminais neuronais, um avanço importante para a reparação de danos cerebrais, avança a agência Lusa.

O estudo, publicado recentemente na revista científica “Stem Cells”, analisou a “proliferação de células estaminais neuronais sob a acção do óxido nítrico, clarificando o mecanismo de acção deste potencial alvo terapêutico para medicina regenerativa”.

O óxido nítrico é produzido no cérebro em condições inflamatórias, na sequência de lesão cerebral.

Segundo uma nota do CNC, “o transplante de células estaminais e a promoção da sua proliferação endógena (no próprio cérebro) têm sido propostas como potenciais estratégias para a reparação de danos cerebrais”.

“Muitas vezes considerado como um obstáculo à proliferação das células estaminais neuronais, o óxido nítrico revelou-se fomentador desta proliferação nas condições testadas por esta equipa de investigadores, por diminuição da concentração utilizada e tempo de aplicação, nomeadamente num modelo animal de dano cerebral”, adianta.

Inês Araújo, investigadora do CNC que liderou a equipa responsável pelo estudo, disse hoje à agência Lusa que “o processo de formação de novas células a partir de células estaminais neuronais na sequência de uma lesão cerebral não é particularmente robusto” e que se procuraram “formas de o tornar mais eficiente”.

Estas células têm “potencial para recuperar as zonas que foram lesionadas, deslocando-se para as zonas onde houve degeneração”, adiantou a bióloga, que desenvolve investigação fundamental na área das ciências da saúde.

Os investigadores de Coimbra descrevem, pela primeira vez o efeito do óxido nítrico na estimulação da proliferação das células estaminais neuronais, que constitui “o primeiro passo para a formação de novas células no cérebro”.

“Descobrimos que o óxido nítrico estimula a proliferação das células estaminais neuronais”, adiantou Inês Araújo, ao referir que esta substância “é muito importante para a estimulação inicial destas células”.

Segundo a investigadora, o conhecimento deste mecanismo é importante para doenças “em que haja necessidade de regenerar zonas do cérebro que foram lesionadas”, em pacientes que sofreram isquémia cerebral ou trauma cerebral.

No comunicado, é referido que “a aplicação clínica destas estratégias levanta algumas preocupações devido a uma possível proliferação excessiva das células estaminais com consequente formação de tumores”.

No entanto, Bruno Carreira (primeiro autor do trabalho e aluno de doutoramento do CNC) e Inês Araújo sublinham que “ao propor um mecanismo para a regulação da acção potenciadora do óxido nítrico na proliferação de células estaminais neuronais, este estudo sugere igualmente que este é um modo mais eficiente e seguro, por ter uma acção moderada, transitória e controlável”.

O estudo foi desenvolvido em colaboração com a Faculdade de Medicina de Coimbra e a Universidade de Lund (Suécia).

2010-09-21
http://www.rcmpharma.com/news/9811/51/Investigadores-de-Coimbra-fazem-avanco-importante-para-reparacao-de-danos-cerebrais.html

Equipa de Coimbra esclarece reparação de danos cerebrais - Ciência - DN

Equipa de Coimbra esclarece reparação de danos cerebrais - Ciência - DN

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

E por aqui queremos continuar também!

Curso "Que hacer por su nino com lesion cerebral" em Maio de 2011

http://www.iahp.org/Proximos-Cursos.37+M5ab988697c2.0.html

Bertín y Fabiola, volcados con su fundación de ayuda a niños

Juiz Recusa Bloquear Financiamento de Células Estaminais Embrionárias

Quinta-feira, 09 de Setembro de 2010

Um juiz federal na terça-feira rejeitou o recurso da administração de Obama para se manter uma ordem bloqueando o financiamento federal das células estaminais embrionárias.

O Juiz Royce Lamberth disse que os réus estão "incorretos" em muitos dos seus argumentos na solicitação para uma pausa enquanto o caso é objeto de recurso. Ele escreveu em ordem do Tribunal que conceder uma pausa não seria "respeitar a vontade do Congresso" por violar a emenda Dickey-Wicker – uma lei de 1996 que proíbe o financiamento federal para a investigação que envolve a destruição ou danos a um embrião humano.

"O Congresso permanece perfeitamente livre de corrigir ou revisar o estatuto (emenda de Dickey-Wicker). Este Tribunal não é livre para fazê-lo,"escreveu Lamberth. "é bem estabelecido que '[isso] é interesse público dos tribunais realizarem a vontade do Congresso e de uma Agência implementar corretamente o estatuto que administra.'"

No final de agosto, Lamberth emitiu uma liminar que interrompeu o National Institutes of Health, de financiamento da investigação de células estaminais embrionárias humanas. Sua decisão foi baseada no fato de que o financiamento violou a emenda de Dickey-Wicker).

Uma administração Obama atordoada recorreu da decisão de 31 de agosto, argumentando que mesmo uma pequena pausa no financiamento poderia sucatear milhões de dólares em projetos de investigação que têm o potencial de curar muitas doenças de difíceis de tratar. Funcionários também garantiram que nenhum dinheiro federal seria usado para destruir embriões e, portanto, nenhuma lei seria quebrada.

Nomeadamente, no entanto, o processo de colheita das células-tronco embrionárias exige a destruição de embriões – a principal razão por que os adversários da investigação controversa comparam a investigação ao aborto.

Também opositores argumentam que existem a ética e alternativas bem sucedidas para a investigação controversa, como pesquisa de células tronco adultas ou investigação em células estaminais pluripotentes induzidas.

Até o momento, a investigação de células tronco adultas ajudou a tratar mais de 80 doenças enquanto células-tronco embrionárias não tem tratado de nenhuma.

Ainda assim, apoiantes da pesquisa controversa enfatizam que as células estaminais embrionárias podem diferenciar-se em quase qualquer tecido e, portanto, têm o potencial para tratar de uma vasta gama de doenças.

O Presidente Obama deixou claro que o apoio à investigação de células estaminais embrionárias é uma das suas principais prioridades.

Logo após tomar posse, Obama emitu uma ordem executiva em Março de 2009 que revogou a restrição que o ex-Presidente George w. Bush colocou no financiamento federal para investigação com células estaminais embrionárias. Obama no seu discurso inaugural, disse ele iria "restaurar a ciência para seu devido lugar"- uma declaração que sugere uma maior liberdade e apoio financeiro para a investigação em células estaminais embrionárias.

O departamento de Justiça disse terça-feira que planeja apelar da decisão de Lamberth.


http://portuguese.christianpost.com/noticias/20100909/juiz-recusa-levantar-bloqueio-no-financiamento-de-celulas-estaminais-embrionarias/

sábado, 25 de setembro de 2010

el objetivo global es que lleguen a la normalidad, a ser uno más entre los demás componentes de su grupo de edad en el menor tiempo posible.

Y cuál es el objetivo final de Institutos Fay?

-Pues un objetivo sencillo y complejo a un tiempo: pretendemos que todos los niños y adultos que están en programa lleguen a leer a su nivel de edad, a comprender a su nivel de edad, a diferenciar mediante los sentidos objetos de características muy similares, a ser capaces de solucionar cualquier desafío físico a su nivel de edad, a hablar con un vocabulario y una gramática adecuadas a su edad, a escribir como corresponde a su nivel de edad, etc.

Es decir, el objetivo global es que lleguen a la normalidad, a ser uno más entre los demás componentes de su grupo de edad en el menor tiempo posible.

No importa si la persona es ciega, muda, completamente inmóvil o si tan sólo tiene problemas de aprendizaje.

No importa cuál sea su diagnóstico, el objetivo es el mismo.

A menudo no alcanzamos todas las metas pero en la mayoría de los casos logramos mucho más de lo que sus padres o algunos profesionales hubieran soñado. Y creo que eso justifica todos los esfuerzos.


http://www.institutosfay.com/institutos-fay/

Parece que é por aqui que seguimos...

http://pt.xcell-center.com/tratamentos/doencas-tratadas/paralisia-cerebral.aspx

Muitos pensam que o futuro dos meninos com Paralisia Cerebral são as células estaminais. Pois é, mas parece que "devemos esperar" que os dados cientificos sejam publicados. Pelo menos é isto que nos dizem, mas quem tem um filho com PC consegue ficar sentado e esperar???? E quanto tempo? 5, 10 anos? Sabendo que há progressos, devemos arriscar?
Parece que não há riscos. Há sim hipóteses de não acontecer nada. Mas também há hipóteses de progressos. Porque é que devemos esperar? Como mãe, não consigo esperar... Quem tem um filho assim, consegue esperar?

A Hormona do Crescimento é mais uma esperança?

http://www.proyectofoltra.org/index.php/es/noticias/291-gh-y-paralisis-cerebral

http://www.dovepress.com/articles.php?article_id=5238

Avanços Científicos: Células estaminais podem ser utilizadas para produz...