O irmão especial







O Francisco foi o primeiro filho.
E a decisão de ter outro filho foi muito difícil. Como é que vou poder passar temporadas de terapias fora de casa com o Francisco? Como é que vou conseguir fazer todos os home programs e as inúmeras indicações que todos os terapeutas dão? Como é que vou ter tempo de procurar e fabricar brinquedos, acessórios e esse tipo de coisas? Como é que vamos fazer com dois miúdos a acordar várias vezes de noite?
E como é que vai correr a gravidez? Não vou poder fazer esforços físicos como pegar no Francisco, balouça-lo para acalmar as birras, levá-lo às terapias, fazer o home program do Doman que estava a ter bons resultados?
E se voltar a ter outro filho igual?? Este então é o medo aterrador!

Bom, lá avançámos. Ter outros filhos sempre foi importante para nós, bem como poderem acompanhar o Francisco e até poderem assegurar-lhe um futuro. Dar alguma normalidade à nossa família também era muito importante.
Há 1 ano e meio nasceu a melhor coisa que me podia acontecer. Um Duarte, super activo, mexido, bem-disposto e menino da mamã.
O Duarte, com naturalidade, faz tudo o que todos os dias lutamos para o Francisco conseguir fazer... O que, por um lado, nos dá a maior alegria, mas por outro nos dá muita angústia e tristeza. Mas como tento que o meu lema seja "tudo se consegue, pode é demorar uma vida e não tem que ser feito na perfeição", vamos tentando não pensar muito no assunto.
Toda a rotina com o Francisco sofreu alterações, o tempo é dividido para 2 (mais para o marido, casa e para mim, que também preciso de algum tempo para as coisas básicas), tem que haver mais pessoas dedicadas...

O Duarte é especial? É! É um filho especial e com necessidades especiais.

É especial porque até agora consegue fazer tudo o que é suposto uma criança fazer, o que é muito difícil (coisa que, pais como nós, dão MUITO valor)! É especial porque consegue dar-nos alegrias todos os dias, que nos ajudam a ultrapassar as dificuldades do dia-a-dia. É especial porque quando me vê com o Francisco ao colo nunca pede colo (no exacto momento em que eu largo o Francisco sabe que tem o lugar dele e eu sei que é a vez dele). É especial porque empurra a cadeira do Francisco, abre-lhe as mãos e coloca as coisas. Sempre que o Francisco faz qualquer coisa bem, é o primeiro a dar pulos de alegria e bater palmas. Será que ele já sabe que o Francisco é diferente?
Mas mais, a nossa vida é diferente, fazemos menos viagens, estamos menos vezes com outras famílias com miúdos da idade dele, quase não vamos ao jardim infantil ou a restaurantes, ou até às festas muitas vezes é difícil ir. Mas é um miúdo super feliz, muito amigo, alegre e sabe a quem pertence tudo (e que ninguém pense em levar os meus sapatos ou a minha carteira que ele vai logo dizer que são da mãe).
Por tudo isto, não tem necessidades especiais? Tem! Tem necessidade de receber o maior e melhor amor do mundo!
Tem um papel especial na vida? Não sei. Eu, por ter um filho com necessidades especiais, tenho um papel especial na vida? Não sei...
Ao Duarte vou ensinar a viver a diferença, as necessidades especiais, amar todos, com deficiência ou sem ela, nunca gozar, menosprezar ou distinguir aqueles que por qualquer motivo são diferentes. Depois, ele fará o seu caminho e encontrará o seu papel...

Por Curiosidade, origem do nome DUARTE: "Trata-se de um excelente amigo que quando sabe o que é necessário faz tudo para ajudar". Melhor não podia ser...
Sara

Comentários

  1. É isso mesmo!!! Todos os filhos têm necessidades especiais, uns precisam é mais atenção e mais tempo que os outros. Mas de vez em quando, quando passa aquela nuvem negra, fico triste a pensar em tudo o que o Martim faz e que o Afonso também devia fazer... e na injustiça que é o Afonso estar assim... Mas enfim, tenho 3 filhos lindos e cada um com a sua necessidade especial.
    Bjs grandes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mara, tb penso muitas vezes no que devia fazer e não faz... Mas "enfim...", não podemos mudar nada. Só ajudar a melhorar...
      Bj

      Eliminar
  2. Olá Sara, com pouca vontade de trabalhar e apos ver os teus ultimos post no facebook resolvi vir ao teu blog e vim parar aos post da amizade. ainda bem que estou aqui sozinha pois já estou a lacrimejar :) adorei este texto!!! tenho a certez que o duarte sabe o quão especial é a sua familia!!! espero que continues a ter energia e disposição para manteres o excelente trabalho que tens feito. Muitos beijinhos e um feliz ano de 2013 para todos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O Grande Papa e o não menos grande Quico

Shot de Limão - como se faz

O blogue fecha esta página