O Q. nasceu em Lisboa em 30 de Abril de 2008 e é um menino muito especial.

E é por ser especial que desde o primeiro dia que trabalha muito, que procuramos soluções, alternativas, pesquisamos, falamos e temos muita ESPERANÇA que um dia faça tudo o que os outros meninos fazem.

Por ser assim, te amamos e POR TI, Q. tudo fazemos.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Tarde de trabalhos manuais básicos para a escola

Hoje foi dia de criar algum material básico e essencial para a escola.

Desta vez optei por fazer as imagens com umas espátulas, para mostrar (em vez de estar a por com velcro e usar sobre um quadro). Acho que são mais fáceis de ter à mão.

Depois, as outras, vejo se faço com velcro, ou não, para colar num quadro.

Tenho uma máquina de plastificar básica, duma promoção do Lidl. E não é preciso muito mais: umas espátulas (à venda na Staples e no chinês), uma tesoura, fita-cola para colar as espátulas e, claro, uma impressora e imagens.


Encontei estas imagens na net das "necessidades" que achei muito engraçadas!

Aqui fica uma fotografia de um destes dias.



Sara
 




terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Ano novo nova escola

Hoje foi um dia BOM!

O Quico mudou de escola e hoje foi o primeiro dia! 

                       À entrada da escola, com um grande frio mas bem quentinho

A integração escolar é um processo muito difícil: é preciso levar todos os materiais, ver se a escola tem rampas, portas com largura suficiente para entrarem as cadeiras, casa-de-banho adaptada, se tem o menu adaptado à sua dieta (sem glúten e lactose, sem arroz e cenoura), se os horários das refeições são de acordo com os seus, se o refeitório não tem barulho demais, se a educadora, auxiliares, pessoal de cozinha e direcção estão alinhados connosco, adaptar as rotinas da turma e materiais escolares. E depois, se o Quico se consegue integrar ou não, como apresentar o Quico aos colegas e ao novo espaço.

Enfim, mil coisas e mais alguma!

E este ano lectivo é a segunda vez que estamos neste processo. Por vários motivos acabámos por sair do anterior colégio, depois de pensarmos em todos os factores.

De maneira que passámos para uma escola pública, temos uma acompanhante, já fizemos reuniões, estamos a adaptar tudo, e lá vamos nós outra vez!

Então, hoje foi o primeiro dia!

Nas primeiras reuniões, senti o normal: resistência por parte de uns, compreensão por parte outros, dinâmicos, facilitadores e "solucionadores" por outros. Tivemos de tudo!
Eu ponho o meu melhor ar, como se o que estivesse a tratar fosse uma mera "questão profissional" e não do meu filho e do ser mais importante da minha vida, e como se não estivesse a perceber o que vai na cabeça de todos! Morro de medo mas ninguém percebe nada e acha que eu sempre fiz aquilo toda a vida! 
Tento facilitar o processo a todos. A realidade é que sei que é muito dificil para as pessoas terem uma criança com necessidades especiais. 
- Para a educadora que nunca trabalhou com crianças com NEE, que está sozinha na sala com 16 crianças, tinha já todas as rotinas programadas, que só lhe foi comunicado de véspera, é obvio que é aterrador!
- Para a cozinheira, fazer a comida da forma que o Quico consiga se alimentar e não engasgar, é uma responsabilidade grande.
- Para a direcção da escola, que tem que facilitar e promover todas as alterações internamente, seja nos espaços, seja nas pessoas.
- Para a direcção do agrupamento que quer que tudo corra muito bem, que tem que, em última instância, gerir todas pessoas, e sabe perfeitamente as dificuldades que sentimos e só nos quer facilitar a vida, mas também tem que arranjar meios para ter a acompanhante e a auxiliar.
- Para a acompanhante que também para ela é o primeiro dia de escola!
- Para toda a gente que já percebeu que eu sou uma "chata" e que vou andar em cima.
Mas pronto, lá começámos hoje, só por umas horas.

O Quico levou umas Pintarolas e balões para oferecer aos novos colegas! Fez a coroa dos reis, ganhou uma fã que anda ao lado do carrinho de mão dada com ele, e no intervalo todos queriam conduzir o carrinho. Esteve super bem disposto na escola e depois em casa!
Conseguimos os objectivos para o primeiro dia: Quico feliz, meninos não assustados, mãe não em histeria, adultos calmos e tranquilos!

 
 Quico em casa com a sua coroa

Agora, vamos contar com a preciosa ajuda do Régis Nepomuceno, terapeuta ocupacional do Brasil, que em Novembro esteve em Lisboa para nos ajudar no processo de inclusão escolar do Quico. O Régis tem um projecto de inclusão escolar espectacular no Brasil e estamos já a trabalhar para ser implementado em Portugal no próximo ano!
Para já, uma vez que ele avaliou e conhece as capacidades e descapacidades do Quico, ele vai ajudar-nos a adaptar todo o programa escolar e todas as actividades serão feitas num meio integrado com os colegas mas adaptadas às suas capacidades. Depois, cá, serão adaptadas pelos terapeutas, a acompanhante, educadora e educadora de ensino especial.
 
O Régis e eu

Esperemos que este seja o primeiro dia de um percurso feliz, tranquilo e com aquisições.

Eu esgotei-me no processo de integração no anterior colégio, foi mesmo de uma grande exigência. Espero que este processo seja mais simples e que corra melhor.
Em relação ao Quico, também sinto que esta escola lhe pode dar maior tranquilidade, menos correrias, menos "passagens de mão" e um trabalho mais integrado com os actuais terapeutas.

Viva 2015 cheio de esperança!

Sara

Desejos de ano novo




"Acredito que todas os pais e mães de crianças com necessidades especiais, todos os anos à meia noite do dia 31 de Dezembro, quando pegam nas doze passas e no champanhe, só lhes venha à cabeça o desejo de que este seja o ano em que o seu filho passe a fazer as coisas que é suposto fazer!
Eu, pelo menos, quando ponho na mão as doze passas, onze delas materializam-se num só desejo. Lá no meu sub-consciente também acredito que se pedir mais vezes vai-se mesmo concretizar...
Olhamos para o nosso filho e pedimos muito muito...

E isto prende-se com a fé e com os sonhos que temos.

O meu filho tem seis anos e não deixo de sonhar e acreditar.  Claro, passaram 6 anos e não se concretizaram esses desejos mas continuo a acreditar.

Só que, mais que pedir desejos, também temos que agradecer. Primeiro pela saúde que nós pais temos, pois a nossa saúde é primordial. E depois, por termos os nossos meninos entre nós e por termos pessoas que nos ajudam..."

O texto na versão integral pode ser lido em Firefly - Desejos de Ano Novo

Desejo a todos um excelente ano de 2015, cheio de realizações e concretizações!

Sara 

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Deduções no IRS para as pessoas com deficiência

Ainda existem alguns direitos que assistem às pessoas com deficiência.

Assim, no IRS de 2014 (deste ano que passou e que vamos entregar em Abril/Maio de 2015) é possível deduzir à colecta 30‰ das despesas com a EDUCAÇÃO e REABILITAÇÃO.

Ou seja, todas as despesas apresentadas, que estejam relacionadas com a educação e com a reabilitação de pessoas com deficência, têm um "reembolso" de 30‰, pois podem ser deduzidas nos impostos.

E o que é bom é que não têm limite de valor. Por isso, podem ser apresentadas todas as despesas relacionadas com estes 2 items.

Atenção que possivelmente muitas delas têm que ter uma declaração médica a atestar a necessidade. Eu, pelo menos, pedi declarações para várias coisas.

Para quem não sabia, aqui fica a indicação.

E fica o link para o site para as deduções à colecta.


Bjs
Sara