O Q. nasceu em Lisboa em 30 de Abril de 2008 e é um menino muito especial.

E é por ser especial que desde o primeiro dia que trabalha muito, que procuramos soluções, alternativas, pesquisamos, falamos e temos muita ESPERANÇA que um dia faça tudo o que os outros meninos fazem.

Por ser assim, te amamos e POR TI, Q. tudo fazemos.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Livro "ALIMENTAÇÃO IDEAL PARA CRIANÇAS INTELIGENTES"



O tema da alimentação é um tema que me fascina. Uma amiga fisioterapeuta insistia comigo para fazer o curso de nutrição e ajudar meninos especiais, uma vez que é difícil encontrar alguém que se dedique a orientar uma dieta inteligente em conformidade com as necessidades individuais dos nossos miúdos.
Muitas vezes pergunto se não há certo tipo de alimentos melhores para a parte muscular, para o desenvolvimento cerebral, para a epilesia e convulsões, para a oxigenação do sangue e a partir daí do cérebro. Todos sabemos os produtos básicos: que o salmão é bom para o cérebro, que as fibras são boas boas para o regular desenvolvimento intestinal e que a água é boa para o coração, a pele, os músculos, respiração, etc.
Mas nós não somos o que comemos? Entao a alimentação tem que ser um peça fundamental para ajudar os nossos miúdos! E não interessa apenas o básico!
Porque a nutricionista a quem fui não deu resposta às necessidades especiais que o meu filho tem (porque não é igual ao comum dos mortais) encontrei este livro que adoro e que me tem dado bastante orientação. E por isso recomendo aqui.
É fácil de ler e tudo se pode comprar em lojas normais e supermercados.
Tem também capítulos específicos para certas doenças como a epilepsia.

SA

ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS INTELIGENTES de Patrick Holford.
Tem a seguinte revisão no site da Fnac:

Um guia prático para desenvolver a concentração, a memória e a inteligência.
Os pais fazem tudo para ajudar os filhos, ensinando-os a ficarem aptos para agarrarem um futuro brilhante.
Mas será que estão conscientes de que cada passo que uma criança dá depende do bom funcionamento do seu cérebro?
E que o cérebro funciona melhor se a alimentação for a mais correcta?
Em Alimentação Ideal para Crianças Inteligentes, os autores revelam como a alimentação certa tem efeitos incríveis nas crianças e adolescentes, estimulando a sua concentração, memória e pensamento criativo, para além de melhorar o seu humor e comportamento.
Um livro para pais que fazem a diferença na vida dos filhos, ajudando-os a descobrir todo o seu potencial.

Este livro está à venda na Fnac e nos hipermercados.

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Abóbora Patisson






A abóbora Patisson, depois de removidas as pevides e retirada a casca é óptima para:
- Cortar em tiras, temperar a gosto e cozinhar tipo batata frita.
- Colocar em guizados ou estufados, tanto de carne como de vegetais.
- Cortar em fatias com 0,5 cm de espessura, temperar com um pouco de sal, passá-la por ovo e pão ralado e levá-la a
fritar em azeite.Servir com molho de tomate, polvilhado com queijo e ervas aromáticas. Fica delicioso, esta mesma receita, pode ser feita com beringela.
- Como acompanhamento de peixe cozido, depois de cozida em água e sal com outros legumes.
- Fica fantástica usada em puré, para o efeito coze-se durante 12 m 50% de patisson com 50% de cenoura temperada com um puco de sal. Escorre-se bem a água e adiciona-se um generoso fio de azeite e passa-se com a varinha mágica. Resulta num delicioso puré para acompanhar peixe ou carne, muito apreciado por pequeninos e grandes.
- É óptima para colocar em sopas.
Esta abóbora, por ser branquinha é baixa em oxalatos, o que faz dela um legume de excelência para dar a crianças, jovens e adultos hiperactivos, com comportamentos do espectro do autismo, epilepsia, perturbações do foro neurológico ou com dificuldade em dormir à noite. É um legume de fácil digestão.
O seu tempo de cozedura é no máximo de 10 minutos, se for cozinhada mais tempo, tem tendência a desfazer-se, pelo que pode ser usada para engrossar molhos de forma natural.




Este texto foi retirado da página do Facebbok da BIOCOOP:




Médicos género "banho de realidade" e médicos género "tudo é possível"

Na última semana foram curiosas as várias abordagens que tive sobre o problema do Francisco.


De cada vez que vamos ao médico (e são muitas as vezes...) deparamo-nos ou com o género de que "tudo é possível, nunca desistam, conheço casos de miúdos com PC hoje casados e com profissão, estiveram morrer e hoje são arquitectos, iam ser cegos e hoje são advogados... E andam e correm". Enfim, há médicos que dizem de tudo para nos motivar. Dentro deste género incluo também aqueles que nos apoiam e dizem para seguirmos com qualquer tipo de tratamento ou terapia, pois o caso já está perdido e por isso tudo que se conseguir é lucro. Enfim, estes são raros mas existem e são o meu tipo preferido.


Depois, há aqueles que dizem "Mãe, onde foi desencantar isso? Não há estudos, não há provas cientificas. Pois, há meninos com resultados mas e se não tivessem feito esse tratamento, será que não teriam evoluído igualmente?". Já me chegaram a chamar à consulta para dizer "Mãe, com esta RM, não vale a pena gastar muito dinheiro com o menino". Estes são o género "Mãe, precisas de um banho de realidade! O teu filho vai ser sempre assim". Transpondo para os desenhos animados, a seguir, vejo-os a rir, a fazer troça desta mãe completamente maluca...


Assim chego à parte caricata da última semana: a fisiatra disse-me que esteve no congresso mundial e que se falou na Wii, nos Theratogs, no therapysuit, nas câmaras hiperbaricas e na hipoterapia e nada disto está cientificamente provado e portanto tem muitas dúvidas sobre o recurso a estas terapias. Ora é verdade que vão aparecendo muitas coisas, mas será que são precisos 10 ou 15 anos para provar a eficácia deste tipo de coisas? E se nao experimentarmos, como se prova a eficácia? E se os miúdos melhorarem só um bocadinho, não é importante??


Depois, apresentei um estudo sobre a utilização de mascaras de oxigénio, que, em conjunto com várias horas diárias de terapia, promove a oxigenação do cérebro de crianças com lesões neurológicas e assim melhoram as suas capacidades. Trata-se de um método utilizado desde 1950. O cardiologista disse ter lido atentamente e que achou tão lógico e interessante que investigou mais sobre isso, disse que apesar de não saber se há ou nao melhorias devíamos experimentar e que não causa qualquer tipo de problema à saúde do Francisco.

A neurologista, por sua vez respondeu que tinha grandes reservas acerca de um eventual benefício neurológico. Nao lhe parece que possa ser prejudicial mas pensa que ainda não existem dados para o recomendar.

O médico de família diz que o risco não deve ser significativo mas a perspectiva de êxito também não. E como tal, não devemos fazer.

Portanto, nao percebem nada do assunto, nunca ouviram falar, nao parece ter impacto negativo na saúde, mas ainda assim, "para quê fazer?".


Hoje consultei outro neurologista, com cerca de 90 anos (nao sei se abona a favor ou desfavor mas já deve ter visto muita coisa) e falou logo dos vários casos de PC que tratou e que tinham diagnóstico de morte e depois acabaram casando e tendo filhos... Nunca nos disse que o caso do Francisco era mais ou menos dramático. Depois de falar sobre o tema sobre o qual lhe tinha pedido opinião (epilepsia) perguntou-me o que é que eu estava a fazer para tratar a PC do meu filho. Confesso que achei que estava doido. Há 3 anos que leio que a PC não tem cura e pergunta-me o que faço para curar?? Disse-me: "há 3 coisas para tratares a PC do teu filho: muita estimulação (a dormir não se aprende nada), educação (no sentido de não super-proteger e criar regras e rotinas) e um "adubo" para o cérebro, que não é nada mais nada menos que um fármaco de estimulação cerebral específico para AVCs e lesões cerebrais". Mas como é que ninguém prescreveu isto antes?


Não é meu hábito utilizar o blogue para este tipo de reflexão, mas de facto dá vontade de perguntar: será que vale a pena ir ao médico?

SA

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Aos meus queridos amigos N. e M.

Meus amigos N. e M.,



Não sei se mais algum dia vão ler o meu blogue, já que esta vossa caminhada termina por aqui.

Presto-vos aqui uma homenagem enquanto pais que tanto sofreram desde que o vosso A. nasceu, há pouco mais de 1 ano. Mas também pela esperança que desde cedo mantiveram e pela forma como encararam a situação. Muito vos admirei por isso.


A vida é muito cruel e foi com vocês desde o primeiro dia, mas foi cruel sobretudo com o A..


Acredito que hoje está feliz no Céu. O A. está neste momento a fazer coisas que para ele seriam muito dificeis fazer aqui e que lhe causariam grandes sofrimentos.


Não há palavras para uns pais que estão a passar por isto. E eu nem sei, sequer, o que se diz...


Desejo que a vida a partir de agora vos traga muitas e muitas alegrias para minimizar este sofrimento tão grande.


Um beijinho.


Sara